quarta-feira, 13 de junho de 2012

O trabalho do Pedagogo no espaço educativo


Segundo Libâneo:
Pedagogo é o profissional que atua em várias instâncias da prática educativa, direta ou indiretamente ligadas à organização e aos processos de transmissão e assimilação ativa de saberes e modos de ação, tendo em vista objetivos de formação histórica. Em outras palavras, pedagogo é um profissional que lida com fatos, estruturas, contextos, situações, referentes à prática educativa em suas várias modalidades e manifestações.”
“A atuação do pedagogo escolar é imprescindível na ajuda aos professores no aprimoramento do seu desempenho na sala de aula(conteúdos, métodos, técnicas,formas de organização da classe),na análise e compreensão das situações de ensino com base nos conhecimentos teóricos, ou seja, na vinculação entre as áreas do conhecimento pedagógico e o trabalho de sala de aula.” (LIBÂNEO, 1996)

Para tanto o conceito de pedagogia pode ser entendida: Estudo teórico e prático da educação, construídos através das exigências da realidade escolar, pois permite uma reflexão política, social e cultural crítica sobre: inclusão, diversidade, ideologia, criticidade....

 O que é educação segundo:
Paulo Freire: Vê a Educação impregnada de esperança, tanto que não hesitou em chamá-la de Pedagogia da Esperança. A Educação trás consigo um coeficiente muito grande de Esperança. Ela pode mudar muito a realidade, dependendo de como a aplicamos e da maneira que a concebemos. Nem tudo está perdido, dizia Freire, basta o trabalho educacional e teremos o que queremos, uma Educação verdadeira que dê conta da mudança da realidade ou seja transformadora.
Libâneo, processos de comunicação e interação pelos quais os membros de uma sociedade assimilam saberes, habilidades, técnicas, atitudes, valores existentes no meio culturalmente organizado e, com isso, ganham o patamar necessário para produzir outros saberes, técnicas, valores, etc.

Historização da Supervisão escolar
»No Brasil, na década de 20, existiam os “técnicos em escolarização” Não havia intenção e nem prática pedagógica para o ensino.
»Década de 60, surgimento do cargo supervisor escolar: voltado apenas para a administração escolar, sem nenhuma intenção ou prática pedagógica.
»Década de 80, não havia ainda uma especialização qualquer membro da escola poderia ser;
Supervisor escolar: atuava diretamente na escola, fazia para do corpo gestor.
Supervisor educacional: atuava no âmbito macro e micro do sistema de ensino.
Supervisor pedagógico; supervisionava o currículo, corpo docente e discente da escola.
Em 1996, orientou-se que nenhum profissional da educação poderia atuar no cargo de: Supervisor, Orientador e Administrador escola  somente poderão atuar profissionais graduados no curso de Pedagogia ou em nível de Pós- Graduação em Gestão escolar, garantido por este critério para a formação de um ensino básico, farce-a a cumprir a LDB (lei de Diretrizes e Bases) 9394/96, art.64


O PAPEL DO PEDAGOGO NA ESCOLA


Na escola o trabalho é realizado por um conjunto de profissionais que interagem para a formação do aluno. A equipe escolar deve encontrar-se sempre em sintonia, todas as funções são importantes na busca por um ensino eficiente capaz de alcançar os objetivos propostos pela instituição. As ações dos pedagogos supervisores e orientadores são imprescindíveis para que a escola possa realizar um bom trabalho consciente da complexidade existente causada pelos diferentes pontos de vista sobre trabalhar educação, fruto da formação e história de vida de cada indivíduo. A função do pedagogo se faz necessária por proporcionar a interligação entre os profissionais da escola.

 Ele é o elo para o trabalho em conjunto para que a escola realize de fato o seu papel de proporcionar uma educação que desperte a comunidade para o processo de emancipação da sociedade, partindo da sua própria emancipação. É impossível que a escola ofereça uma educação emancipadora sem que ela própria seja primeiramente liberta do excesso de inovações.

O pedagogo atuante favorece a formação de grupos de estudo, fortalece a interação humana na escola, melhora o clima organizacional de maneira significativa, estimulando o respeito mútuo e a boa convivência. Dessa forma, o pedagogo passa a trabalhar no sentido de conseguir alcançar, pelo menos, três metas:

  O bom desempenho docente em suas competências básicas, incentivando o professor a buscar o próprio crescimento junto aos colegas. Ninguém cresce sozinho. Todos temos algo a contribuir para o crescimento alheio, um pouquinho que seja.


 A valorização do professor como profissional, reconhecendo-lhe todo e qualquer bom desempenho evidenciado; e como pessoa, ouvindo-o com respeito e empatia, criando espaço para que participe efetivamente do processo educativo.

A implementação do currículo proposto no projeto político-pedagógico da escola, acompanhando o processo de ensinar, avaliando a ação pedagógica e procurando viabilizar a boa e saudável interação humana no interior da escola: professor–professor, professor–aluno, professor–pedagogo; e também fora dela: professor–escola, escola–comunidade. O pedagogo deve, ainda, esforçar-se para adquirir uma boa cultura geral, a fim de ser capaz de transformar princípios em ação. O seu desempenho eficiente sustenta a unidade e a coerência organizacional da escola. Porém, exige-lhe o desenvolvimento e o domínio de competências técnicas e humanas (relacionadas ao desempenho dos professores) e competências administrativas (relacionadas ao processo de educação de crianças e jovens na escola).

Autor: Raimundo da Silva Santos Júnior(Juruti)

A educação formal pode ser resumida como aquela que está presente no ensino escolar institucionalizado, cronologicamente gradual e hierarquicamente estruturado, e a informal como aquela na qual qualquer pessoa adquire e acumula conhecimentos, através de experiência diária em casa, no trabalho e no lazer.

A educação não-formal, porém, define-se como qualquer tentativa educacional organizada e sistemática que, normalmente, se realiza fora dos quadros do sistema formal de ensino.
A educação formal tem objetivos claros e específicos e é representada principalmente pelas escolas e universidades. Ela depende de uma diretriz educacional centralizada como o currículo, com estruturas hierárquicas e burocráticas, determinadas em nível nacional, com órgãos fiscalizadores dos ministérios da educação.

A educação Informal é mais difusa, menos hierárquica e menos burocrática. Os programas de educação informal não precisam necessariamente seguir um sistema sequencial e hierárquico de “progressão”. Podem ter duração variável podem, ou não, conceder certificados de aprendizagem.


Na concepção de freire, ninguém começa a ser educador numa certa sexta-feira das 19:20 ás 22:00hs. Ninguém nasce educador ou marcado para ser educador. A gente se faz educador, a gente se forma,  e se transforma em um  educador, permanentemente, na prática e na reflexão. quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.